+351 21 842 71 00

Programa de Formação Específica do Internato

Programa de Formação Específica do Internato
da
Especialidade de Estomatologia

1 – Duração – 48 meses.
2 – Estágios, por sequência e duração:
2.1 – 1.º ano – estágio em Clínica Estomatológica (primeira parte: 12 meses). Inclui um mês de estágio em Anatomia Patológica
2.2 – 2.º ano – estágio em Clínica Estomatológica (segunda parte: 12 meses). Inclui um mês de estágio em Anestesiologia.
2.3 – 3.º ano – estágio em Clínica Estomatológica (terceira parte: 12 meses). Inclui um mês de estágio em Dermatologia.
2.4 – 4.º ano – estágio em áreas cirúrgicas da cabeça e pescoço (12 meses, num único Serviço ou dois períodos de 6 meses em Serviços diferentes).
3 – Locais de formação:
3.1 – 1.º, 2.º e 3.º anos:
a) Serviços de Estomatologia
b) Serviços de Estomatologia e Cirurgia Maxilofacial
c) Serviços de Anatomia Patológica
d) Serviços de Anestesiologia
e) Serviços de Dermatologia
3.2 – 4.º ano:
a) Serviços de Estomatologia e Cirurgia Maxilofacial
b) Serviços de Cirurgia da Cabeça e do Pescoço
c) Serviços de Oncologia Oral
d) Serviços de Cirurgia Maxilofacial
e) Serviços de Cirurgia Plástica e Reconstrutiva
f) Serviços de Cirurgia Pediátrica
4 – Desenvolvimento do Internato:
4.1 – Frequência da Consulta externa, Urgência (obrigatoriamente sob a tutela de um Estomatologista), Enfermaria e Laboratório de Prótese.
4.2 – Colaboração e progressiva responsabilização nas actividades clínicas de rotina.
4.3 – Participação nas reuniões do Serviço e nas suas actividades científico-pedagógicas (nomeadamente reuniões clínicas, discussão de casos clínicos, conferências, investigação clínica ou laboratorial). O acesso à investigação clínica pelo Médico Interno, deverá integrar-se no âmbito de legislação própria criada para o efeito.
4.4 – Apresentação de casos clínicos, temas relacionados com a Estomatologia e revisões bibliográficas.
4.5 – Manuseamento do Arquivo e Biblioteca.
4.6 – Participação em cursos e simpósios de pós-graduação.
5 – Objectivos dos estágios:
5.1 – Estágio em Clínica Estomatológica:
5.1.1 – 1.º ano:
5.1.1.1 – Objectivos de desempenho:
a) Colheita de histórias clínicas, com realce para os aspectos da semiologia estomatológica: anamnese e exame objectivo;
b) Execução de técnicas de instrumentação estomatológica com manuseamento do material e equipamento de Estomatologia;
c) Realização de métodos semiológicos e terapêuticos próprios em:
c 1) Medicina e patologia oral
c 2) Exodôncia
c 3) Dentisteria operatória
c 4) Endodôncia
c 5) Odontopediatria
c 6) Imagiologia estomatológica
5.1.1.2 – Objectivos de conhecimento:
a) Conhecimentos básicos relacionados com a prática estomatológica de:
a 1) Anatomia
a 2) Fisiologia
a 3) Embriologia
a 4) Patologia geral (incluindo bacteriologia, imunologia e genética)
a 5) Anatomia patológica
a 6) Fisiopatologia
a 7) Farmacologia
a 8) Semiologia clínica e terapêutica
a 9) Psicologia e ciências afins (v. g.: Biofísica, Bioquímica, Biomatemática, Estatística,
Informática)
b) Doenças gerais com manifestações orais
c) Semiologia estomatológica, nomeadamente da história clínica e meios complementares de diagnóstico
d) Patologia geral do aparelho estomatognático e anexos
e) Medicina, terapêutica estomatológica, oclusão, dentisteria operatória, exodôncia, endodôncia, odontopediatria, imagiologia, anestesia, instrumental e materiais em Estomatologia
f) Fundamentos da investigação clínica e laboratorial em Estomatologia
5.1.2 – 2.º ano:
5.1.2.1 – Objectivos de desempenho:
a) Elaboração de histórias clínicas, incluindo exame físico
b) Discussão de casos clínicos
c) Realização de estudos pré e pós-operatórios e evolução pós-operatória
d) Diagnóstico, profilaxia e tratamento das infecções em meio hospitalar
e) Realização de pensos seguindo a evolução da ferida operatória e das drenagens e remoção de pontos de sutura
f) Aplicação de técnicas de reanimação e de suporte básico de vida
g) Comportamento no bloco operatório de acordo com as técnicas gerais e especiais de assepsia, desinfecção e esterilização
h) Instrumentação cirúrgica, mesas para cirurgia geral e especial
i) Domínio das técnicas cirúrgicas relativas à cirurgia oral e dentomaxilar: pensos, drenagem de abcessos, tratamento de feridas, queimaduras, fracturas e traumatismos dento-alvéolo-maxilares, biópsias de tecidos moles
5.1.2.2 – Objectivos de conhecimento – patologia cirúrgica oral e dentomaxilar e técnicas cirúrgicas aplicáveis:
a) Biologia dos ferimentos e cicatrização
b) Controlo da dor e anestesia
c) Infecção
d) Choque
e) Equilíbrio ácido-base e hidroelectrolítico
f) Nutrição
g) Preparação pré-operatória
h) Aspectos psicológicos e emocionais da cirurgia
i) Influência de outras doenças e estados na cirurgia (insuficiência respiratória, doenças cardiovasculares, insuficiência renal, insuficiência hepática, doenças infecciosas, doenças endócrinas, hemopatias, doentes transplantados, desidratação, má nutrição e gravidez)
j) Influência de agentes farmacológicos na cirurgia (analgésicos, anti-inflamatórios, antibióticos, anticoagulantes, cardiotónicos e digitálicos, diuréticos, drogas de acção neurovegetativa, antidiabéticos, drogas imunossupressoras, etc.)
k) Influência de agentes físicos na cirurgia (radioterapia, terapêutica hiperbárica, laser, crioterapia, etc.)
l) Cuidados e complicações pós-operatórias
m) Técnicas de reanimação.
5.1.3 – 3.º ano:
5.1.3.1 – Objectivos de desempenho – domínio das técnicas semiológicas e terapêuticas em:
5.1.3.1.1 – Ortodôncia-ortopedia dentomaxilofacial:
Diagnóstico (incluindo estudos cefalométricos, fotográfico e de modelos) e tratamento (tratamento interceptivo e tratamento preventivo e funcional ortodônticos).
5.1.3.1.2 – Reabilitação dento-oromaxilar.
a) Diagnóstico e tratamento da edentação total e parcial com uso de prótese móvel (muco e ou muco-dento suportadas) e ou fixa
b) Diagnóstico (incluindo uso de articuladores e arco facial) e tratamento das afecções temporomandibulares
5.1.3.1.3 – Periodontologia:
Diagnóstico das periodontopatias e terapêutica médica e cirúrgica.
5.1.3.1.4 – Implantologia:
Diagnóstico e tratamento de endentulismo com o recurso a implantes.
5.1.3.2 – Objectivos de conhecimento:
a) Aprofundamento dos conhecimentos básicos e de patologia geral e especial do aparelho estomatognático  e anexos e da semiologia e clínica estomatológica
b) Estudo da ortodôncia, ortopedia dentomaxilofacial, reabilitação dento-promaxilar, periodontologia
c) Estudo de anatomia patológica e de estomatologia forense
5.2 – Estágio em áreas cirúrgicas da cabeça e pescoço.
5.2.1 – Objectivos de desempenho:
Aprofundamento e aperfeiçoamento das técnicas de diagnóstico e terapêutica cirúrgicas da área da cabeça e do pescoço necessárias ao exercício da Estomatologia.
5.2.2 – Objectivos de conhecimento:
Aprofundamento dos conhecimentos de semiologia, patologia e clínica das doenças craniocervicofaciais oncológicas, traumatológicas e dismórficas e seu tratamento cirúrgico, isolado ou integrado em terapêuticas multidisciplinares.
5.3 – Níveis mínimos de desempenho globais:
5.3.1 – Restaurações dentárias – 100.
5.3.2 – Endodôncias – 30.
5.3.3 – Exodôncias – 100.
5.3.4 – Cirurgias dentomaxilares (total – 70).
5.3.4.1 – Subtotais em inclusões dentárias – 30.
5.3.4.2 – Subtotais em traumatologia dento-alveolar – 30.
5.3.4.3 – Subtotais em traumatologia maxilar – 20.
5.3.5 – Cirurgia dos tecidos moles (total – 30).
5.3.5.1 – Subtotais em glândulas salivares – 10.
5.3.6 – Cirurgia pré-protética – 10.
5.3.7 – Cirurgia periodontal – 20.
5.3.8 – Implantes – 10.
5.3.9 – Prótese total – 5.
5.3.10 – Prótese parcial removível – 10.
5.3.11 – Prótese fixa – 6.
5.3.12 – Ortodôncia – 20.
5.3.12.1 – Diagnóstico e plano de tratamento e colocação de aparatologia – 20.
5.3.13 – Seguimento de casos até à fase final – 6.
5.3.14 – Publicação anual de no mínimo um artigo em Revista Científica da Especialidade.
6 – Avaliação:
6.1 –A avaliação do aproveitamento no Internato de Estomatologia compreende uma avaliação contínua, realizada ao longo de todo o Internato e uma avaliação final que precederá o Exame Nacional
As avaliações incidem sobre os níveis de desempenho e de conhecimento e serão feitas pelo Director de Serviço, pelo Orientador de Formação e pelo Orientador do Estágio que o Médico Interno esteja a realizar.
6.2 – Avaliação de desempenho
A avaliação do desempenho é feita de forma contínua no decorrer de cada estágio e na avaliação final, sendo o Interno avaliado, na escala de 0 a 20 valores, levando em conta os seguintes parâmetros e respectiva ponderação:
a) Capacidade de execução técnica – 3
b) Interesse pela valorização profissional – 3
c) Responsabilidade profissional – 2
d) Relações humanas no trabalho – 2
6.3 – Avaliação de conhecimentos
6.3.1 – A avaliação de conhecimentos é feita de forma contínua no decorrer de cada estágio e na avaliação final de acordo com os seguintes parâmetros:
6.3.1.1 – Apreciação e discussão do relatório de actividades.
6.3.1.2 – Prova teórica de interrogatório sobre os objectivos de conhecimento.
6.3.1.3 – Prova prática, que incluirá:
a) Entrevista e observação de um doente
b) Elaboração de relatório escrito onde conste o diagnóstico, pedido de exames, discussão dos mesmos, prognóstico e terapêutica.
7 – Disposições finais:
7.1 – O presente programa entra em vigor em 1 de Janeiro de 2008 e aplica-se aos Internos que iniciarem o Internato a partir dessa data.
7.2 – Pode, facultativamente, abranger os Internos já em formação e nesse caso os interessados deverão entregar na Direcção do Internato do seu Hospital, no prazo de dois meses a partir da publicação deste programa, uma declaração em que conste a sua pretensão com concordância averbada dos respectivos Director de Serviço e Orientador de Formação.

13 de Maio de 2007