+351 21 842 71 00

Ministra da Saúde empurra médicos de família para fora do SNS

No último procedimento concursal para reforçar os cuidados de saúde primários com mais especialistas em Medicina Geral e Familiar, apenas 73 das 113 vagas foram preenchidas. A região de saúde de Lisboa e Vale do Tejo, a mais carenciada de todo o país, foi a que menos médicos de família conseguiu atrair.

“Este deserto histórico em termos de número de candidatos é um reflexo da atitude que a ministra da Saúde tem demonstrado. Ao invés de acarinhar os profissionais de saúde, a tutela tem escamoteado os graves problemas do Serviço Nacional de Saúde e ameaçado com retenções obrigatórias de médicos que em nada contribuem para que tenham vontade de trabalhar no sistema público de saúde”, afirma o bastonário da Ordem dos Médicos.

Para Miguel Guimarães, “este concurso é mais uma prova de que a atual política de contratação de recursos humanos não serve nem o país nem o SNS e a prova de que também nada de eficaz está a ser feito para conseguir atrair médicos para zonas carenciadas”.

“Há vagas que ficam sistematicamente por preencher em algumas zonas de Lisboa e também do Alentejo e Algarve. Isso obriga a uma reflexão e a uma atitude séria por parte do Ministério da Saúde”, reforça o bastonário, que lamenta que “uma vez mais os doentes sejam prejudicados pelo poder político”, com a ministra da Saúde a empurrar os médicos para fora do SNS.

Lisboa, 21 de março de 2019

Download: 2019.03.21_NI – Ministra da Saúde empurra médicos de família para fora do SNS