+351 21 842 71 00

Médicos e cidadãos terão acesso livre a informação de confiança sobre saúde

A Ordem dos Médicos e o Ministério da Saúde formalizaram na manhã desta terça-feira uma parceria para apoio à decisão clínica, formação profissional contínua e literacia em saúde. “Um passo em frente para reforçar a capacidade de decisão em benefício das melhores escolhas em saúde, uma ideia tripla da minha candidatura (decisão, formação profissional e literacia para todos) tornada realidade”, resumiu o bastonário.

A Ordem dos Médicos (OM) e o Ministério da Saúde, através da ACSS – Administração Central do Sistema de Saúde, assinaram esta manhã uma parceria inovadora que trará benefícios a médicos e sociedade civil. O protocolo é o pontapé de saída de um projeto centrado nas pessoas e nos profissionais de saúde, que permite o acesso permanente a informação cientificamente válida sobre Saúde e contempla a disponibilização online e gratuita de sistemas de apoio à decisão clínica, formação profissional contínua e literacia digital em Saúde, com base na melhor e mais relevante evidência científica. Além de conteúdos científicos reconhecidos internacionalmente, que passarão a estar acessíveis a todos os profissionais de saúde, nomeadamente aos médicos, também os doentes terão ao dispor informação útil e de confiança que os ajudará a uma tomada de decisão sobre a sua saúde, de forma mais consciente e informada.

“Este protocolo é um passo muito importante para médicos e para toda a sociedade: vai permitir a médicos e cidadãos um acesso livre à melhor informação, baseada em evidência científica. Informação é poder e reforça-se assim a capacidade de decisão de médicos e doentes em benefício das melhores escolhas em saúde”, afirmou o bastonário.

Este projeto de colaboração visa a melhoria da qualidade dos cuidados prestados, ao mesmo tempo em que contribui para a diminuição dos riscos em saúde, aumentando a segurança clínica para doentes e médicos.Além de um vasto conteúdo que permitirá aos médicos uma tomada de decisão clínica mais informada, sempre atualizada e baseada na melhor evidência científica disponível internacionalmente, os sistemas – BMJ Best Practice, Cochrane Library, DynaMed Pluse UpToDate– constituem uma importante ferramenta acessível a todas as pessoas, que reforça a literacia de cidadãos, doentes e seus familiares.

“Num mundo tão digital e com acesso a tanta informação não filtrada, é essencial tanto para médicos como para os cidadãos saberem que estão a consultar informação de confiança que pode acrescentar segurança clínica às suas decisões”, frisa Miguel Guimarães.

Esta é a concretização de um dos objetivos de candidatura do bastonário da OM que providenciará aos médicos uma forma acessível, contínua e sustentada de valorização do conhecimento; de atualização permanente da sua formação profissional e de suporte à melhor decisão clínica em consonância com as melhores práticas reconhecidas internacionalmente. Uma ideia reforçada por Adalberto Campos Fernandes que também destacou a mais-valia e o caráter inovador do projeto. “O Ministério da Saúde entendeu que esta iniciativa proposta pela Ordem dos Médicos era uma oportunidade para consolidarmos este projeto e dar um passo em frente na batalha do conhecimento contra a ignorância”, afirmou o ministro, lembrando os “perigos” da contrainformação.

A arrancar em janeiro de 2019, o projeto terá a duração de três anos, renováveis. “Para médicos e profissionais de saúde, é um sistema único a nível mundial, testado e reconhecidamente relevante para suportar a decisão clínica, resolvendo o problema da dimensão da bibliografia publicada que chega a cerca de dois milhões de artigos por ano”, concretiza ainda o coordenador, António Vaz Carneiro, presidente do Conselho Nacional para a Formação Contínua da Ordem dos Médicos.

“Já os doentes e seus familiares, cidadãos, jornalistas, instituições de saúde, universidades e público em geral poderão aceder a uma enorme quantidade de conteúdos devidamente traduzidos, permitindo a atualização permanente do conhecimento e, esperamos, aumento significativo da literacia em saúde. Numa altura em que a informação sobre saúde disponível é na maior parte das vezes falsa, corrupta ou tendenciosa, é fundamental fornecer uma solução global para o conhecimento médico relevante.”